então, adeus.



Eu tenho duas escolhas agora: ou deixo isso me abalar, e eu caio aqui; ou eu sigo meu caminho, tendo uma lembrança, a mais sincera, de você. E eu não faço idéia do que escolher.

Eu escolho reviver todos os momentos que tivemos, antes de você me deixar. Escolho, talvez, fingir que nada aconteceu, e te amar até o resto da minha vida. Ter a falsa impressão que nada mudou, e eu você esta aqui, comigo, do meu lado. Escolho, por hora, reviver as nossas primaveras, te fazer, mais feliz, te amar tantas e tantas vezes que minha mente puder imaginar.

Eu tenho duas escolhas difíceis, que não faço idéia de como escolher. Você não me preparou pra isso, não me disse que o mundo estaria mais cinza sem você, ou que eu não sentiria mais o gosto da minha comida favorita, não veria mais cores, nem sentiria mais aromas. E tudo esta tão mais mórbido, que eu nem consigo escrever, sem pensar. Meu mundo caio, meus sonhos de construir uma vida com você acabaram. Nossos filhos não vão existir e eu vou estar aqui sozinho até o fim da minha jornada rumo as estrelas. É duro ver isso, mais eu não tenho outra perspectiva, além dessa.

E fugir não vai adiantar, e chorar não vai resolver. Vai bem!

3 comentários:

Gabriela M. disse...

mas vai ter que escolher. a vida é isso: escolha.

e chorar realmente não resolve, mas ajudaa tanto que passa até mais rápido.

bj bj Gean

Keilla Karollyne disse...

Por mais doloroso que seja é melhor seguir o seu caminho que se deixar derrubar por um sentimento que deveria te suprir.


;*

Cristiano Contreiras disse...

Lindo texto! demonstra a força de viver, tudo de uma só vez, altamente intenso!