Sentir, presumir.

Senti um cheiro estranho no ar. Algo que não reconheci de primeira, nem de segunda. Algo que não era de todo ruim, porém bom é que não era!

Devo ter feito algo de errado nessa trajetória que me trouxe até aqui. Algo não se encaixou no plano como esperado. Não percebi e continuei. Talvez tenha perdido, quem sabe? Alguém uma vez me falou que não querer perder alguma coisa é idiotice. É algo inevitável. Perde-se constantemente. O presente é o passado, e este já esta perdido. Não volta.

Então, é nessa hora que pergunto a o cara que vejo no espelho: “pra que entristecer- se com algo inevitável?”, todavia me dou conta que antes de tudo sou um SER humano, pensamente, que sente, e muito. Sente tanto que queria não poder mais sentir. Nem saudades, nem nojo, nem pena, nem amor. Nada! Insensível mesmo. Porém, antes de ter realizado esse desejo surreal volto atrás e quero sentir tudo de novo. Gosto de sentir. De fato, gosto!

O que não gosto é de presumir. E acho que presumir é o maior vilão do sentir. Presume-se demais hoje, coisa que odeio fazer. Posso estar enganado com tanta coisa, mas presumi que estou certo, então não dou o braço a torcer. Deveria, mas cabeça dura não muda do nada. Queria eu que tivesse um botão na minha cabeça com o liga-desliga pra poder fazer tudo mais certo. Talvez assim não presumisse tanto, e não deixasse passar tantas coisas, ou tantas pessoas, ou tantos sentimentos. Mas presumi, ta no passado, fudeo!

2 comentários:

L. G. Melo - Site Oficial disse...

Amigo:
1- AMEI O NOVO LAYOUT e o design do blog assim ficou super *o*
parabens
2 - seu post está PHODA
parabens AGAIN

E presumir eu acho que é mais uma forma, ÀS VEZES, de nos confortarmos de uma forma melhor, com a situação, ou de n encarar alguns fatos DE UMA VEZ. entende ? enfim...
adorei o design 2011
\o
bj

Jailton Melo disse...

Achei um dos melhores posts que já li.
\ó/
Tá de Parabéns com toda esta Filosofia do Existir.
Isto é tão fenomenológico, tão profundo, que me prendi em cada palavra... E no final, mais um aceno de que o presente é tão curto, tão denso que não resta mais nada senão vivê-lo sabendo que ele será o ontem.

#adoro-tudoisso

Abraço.